Diminuir tamanho da fonteAumentar tamanho da fonte

Pastorais do Campo se reúnem para articulações frente à crise socioambiental, politica, econômica e eleitoral

03 de agosto de 2018

Participantes do III Encontro da Articulação das Pastorais do Campo

Centro de formação Vicente Cañas, Luziânia (GO). No centro do auditório, em forma espiral folhas secas, galhos, cabaças, frutas diversas, uma rede de pesca, uma rede de dormir, uma peneira com terra: símbolos que expressam o compromisso com os sujeitos aos quais as Pastorais do Campo atuam. Também, em destaque, frases da agenda comum do grupo: “Resistencia da cultura de povos e comunidades tradicionais. Recuperação das nascentes. Produção agroecológicas. Economia Solidária. Povos livres. Sínodo para a Amazônia”.

Sentados no formato meia lua, ouvidos e olhares atentos à mesa em que Isolete Wichinieski, agente da Comissão Pastoral da Terra em Goiás (CPT-GO) e o economista Guilherme Delgado iniciaram o debate do III Encontro Nacional da Articulação das Pastorais do Campo, que iniciou hoje (3) e vai até domingo (5).  Participam representantes, cerca 50 agentes, das pastorais do campo e organismos da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que são: a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP), o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a Cáritas Brasileira (CB), o Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM) e a Pastoral da Juventude Rural (PJR).

O debate foi pautado pelo atual contexto brasileiro, suas tendências e desafios, com destaque às questões socioambientais, econômicas, politicas, com especial atenção ao trabalho realizado junto aos povos e comunidades tradicionais. A discussão também enfocou a geopolítica internacional, a macro-política, as eleições nacionais e a temática do campo em geral.

Após a explanação do tema, em círculos menores, o debate foi intenso. Ao voltar para a plenária, os participantes interagiram com Isolete e Guilherme.

Entre os questionamentos levantados estão: a ausência de uma politica para a reforma agrária; a não demarcação das terras indígenas; crise política do país no atual contexto de ruptura democrática; a violência e o extermínio da população jovem, em particular a negra; a ausência da titulação das terras quilombolas; a venda das terras e todos os recursos naturais para o capital estrangeiro e o poder do agronegócio.

Diante desse cenário os participantes apontaram horizontes de resistência, como o fortalecimento das comunidades; potencializar articulações já existentes, a exemplo da Teia dos Povos e Comunidades Tradicionais do Maranhão; olhar o processo para além da perspectiva das eleições deste ano; ter um olhar alargado; apostar numa pastoral libertadora de protagonismo, com atores efetivos e continuar lutando pela democracia.

 

Osnilda Lima, Coletivo de Comunicação das Pastorais do Campo

Fotos Mário Manzi

Participantes do encontro das pastorais do campo em momento de entrosamento

MAGRE BRASIL

Faça parte dessa rede

Redes Sociais

Cáritas Notícias

Cadastre-se e receba por e-mail nossos informativos.
Prestação de Contas

Contato

Cáritas Brasileira
SDS - Bloco P - Ed. Venâncio III
Sala 410 - CEP: 70393-900


Brasília/DF
+55 (61) 3521-0350

caritas@caritas.org.br