Diminuir tamanho da fonteAumentar tamanho da fonte

O papa Francisco, o ataque ao capital e a defesa dos pobres

06 de janeiro de 2014

Por Jacques Távora Alfonsin
Para a Página do MST

Entre os fatos destacados pelo Papa Francisco, na exortação apostólica Evangelii Gaudium (a alegria do Evangelho), de 24 de novembro passado, vale a pena prestar-se um pouco mais de atenção na lembrança por ele valorizada de um documento da CNBB (Exigências evangélicas e éticas de superação da miséria e da fome) publicado ainda em 2002:

“Animados pelos seus Pastores, os cristãos são chamados em todo o lugar e circunstância, a ouvir o clamor dos pobres, como bem se expressaram os Bispos do Brasil: Desejamos assumir, a cada dia, as alegrias e esperanças, as angústias e tristezas do povo brasileiro, especialmente das populações das periferias urbanas e das zonas rurais – sem terra, sem teto, sem pão, sem saúde – lesadas em seus direitos. Vendo a sua miséria, ouvindo os seus clamores e conhecendo o seu sofrimento, escandaliza-nos o fato de saber que existe alimento suficiente para todos e que a fome se deve à má repartição dos bens e da renda. O problema se agrava com a prática generalizada do desperdício.” (nº 191 da referida exortação).

“Ouvir o clamor dos pobres”, “assumir alegrias e angústias” especialmente de quem sobrevive nas periferias urbanas e rurais, como as/os sem terra e as/os sem teto, reconhecer todo esse povo como “lesado em seus direitos”, escandalizar-se com a fome ao lado de alimento desperdiçado, isso tudo parece não deixar dúvida de que esse Papa “tem um lado”, fala claro sobre sua posição, não tergiversa, e quando endossa as palavras dos bispos brasileiros, proclama firmemente que a pobreza e a miséria são causadas por violações de direitos.

A exemplo de Jesus Cristo, não hesita em denunciar os responsáveis por tais injustiças. Quando analisa a “economia e distribuição das entradas”, proclama em linguagem imune a qualquer manipulação:

“A necessidade de resolver as causas estruturais da pobreza não pode esperar; e não apenas por uma exigência pragmática de obter resultados e ordenar a sociedade, mas também para curá-la de uma mazela que a torna frágil e indigna e que só poderá levá-la a novas crises. Os planos de assistência, que acorrem a determinadas emergências, deveriam considerar-se apenas como respostas provisórias. Enquanto não forem radicalmente solucionados os problemas dos pobres, renunciando à autonomia absoluta dos mercados e da especulação financeira e atacando as causas estruturais da desigualdade social, não se resolverão os problemas do mundo e, em definitivo, problema algum.”  (nº 202 da exortação).

Como se tudo isso fosse pouco, o mesmo Papa Francisco determina à Academia de Ciências do Vaticano, no início de dezembro, realizar um seminário internacional para analisar a situação dos trabalhadores excluídos do mundo, causas e alternativas para a solução dos seus problemas. Essa convida João Pedro Stedile, liderança mais do que conhecida do MST e da Via Campesina para contribuir com sua palavra e testemunho no referido evento.

E agora? Quantos editoriais, quantas críticas cheias de raiva contra as/os sem-terra, sem-teto, quilombolas, índias/os, catadoras/es de material, gente faminta, mal tratada em sua saúde, agredida até em suas próprias iniciativas educacionais de que deram exemplo as escolas itinerantes, será que vão atacar o Papa também?

E aqueles pareceres doutos, aquelas decisões judiciais que sepultaram a justiça “em nome da lei”, despejando preconceito ideológico no papel e gente na rua, no descaminho e até no cemitério, sob aplauso da mídia, da CNA e da bancada ruralista no Congresso, não têm nada a dizer sobre essa exortação do papa?

Os ardis montados por não pequena parte do Poder Público e do econômico privado visando tornar invisível a miséria para que as responsabilidades por ela jamais fossem ou sejam identificadas e punidas, vão continuar mantendo escondidas as provas de que esse povo pobre não é o que dizem dele e das suas organizações como, entre outras o MST, o MPA, o MAB, o CIMI, a CPT?

Uma coisa parece certa. Os defensores do chamado “sistema” econômico-político do tipo que predomina no nosso país, como normal, a injustiça social e as desigualdades que nos oprimem, como superáveis pelas próprias iniciativas do mercado (!) receberam uma advertência de renome insuspeito e internacional.

As/os pobres do mundo inteiro vão entrar 2014 empoderadas/os por um testemunho forte de defesa inquestionável dos seus direitos, das garantias que lhes são próprias e de censura não velada a quem é causa das injustiças que sofrem.

Manda um mínimo de decoro, modéstia intelectual, jurídica e sociológica, então, que os tais defensores daquelas generalidades onde quase tudo cabe (até injustiças sociais), como “livre mercado”, “globalização” “Estado mínimo”, “neoliberalismo”  tenham cuidado com a sua mente e a sua palavra, pois, de ética e moral, pelo menos, parece que o Papa, tão aberto ao diálogo e à acolhida de todas/os, duvida bastante, com sobradas razões, das deles.

Fonte: MST

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


MAGRE BRASIL

Faça parte dessa rede

Redes Sociais

Cáritas Notícias

Cadastre-se e receba por e-mail nossos informativos.
Prestação de Contas

Contato

Cáritas Brasileira
SDS - Bloco P - Ed. Venâncio III
Sala 410 - CEP: 70393-900


Brasília/DF
+55 (61) 3521-0350

caritas@caritas.org.br