Diminuir tamanho da fonteAumentar tamanho da fonte

Entrevista: Dom José Luis Azuaje Ayala, presidente da Cáritas América Latina e Caribe fala sobre a questão migratória

25 de junho de 2018

“Sejamos solidários e não coloquemos qualquer obstáculo à caridade”

Hoje, 25 de junho, é o Dia Nacional do Migrante. Nos últimos anos o Brasil vem acolhendo um expressivo número de migrantes e refugiados venezuelanos. Por isso, conversamos, nesta entrevista, com dom José Luis Azuaje Ayala, arcebispo de Maracaibo, presidente da Conferência Episcopal da Venezuela e da Cáritas América Latina e Caribe. Dom Luis ressalta que: “Devemos lembrar que este mundo é feito para todos, que as fronteiras são linhas imaginárias para ordenar, mas não para o impedimento da realização dos seres humanos. Um migrante é um ser humano que tem dignidade em si mesmo, independentemente de raça, cor, credo ou ideologia. Todos nós possuímos a primeira dignidade que nos aproxima, irmãos, co-participantes de uma história comum no mundo”.  E conta que: “Nós venezuelanos não temos uma vocação para migrar, pelo contrário, sempre nos distinguimos em acolher pessoas de outros países, sempre foi assim. Se você sair do país é porque as condições de segurança econômica, social, pessoal e legal não permitem que você viva. É algo de vida ou morte para milhões de pessoas”.

Leia a entrevista com José Luis Azuaje Ayala

O fenômeno da migração não é novo, mas o que o diferencia em nosso tempo?

Dom Azuaje: Este fenômeno sempre existiu por muitos séculos. Na Palavra de Deus, é revelado, com tudo o que isso implica (governo, território e população), ele estabeleceu leis claras sobre como o estrangeiro deveria ser recebido; lemos em Levítico 19,34 “O estrangeiro que habita convosco será como alguém nascido entre vós, e você o amará como a si mesmo, porque você era estrangeiro na terra do Egito; Eu sou o Senhor seu Deus”.

É verdade que as nações são divididas por fronteiras, de acordo com sua composição geográfica. Também é verdade que neles existem leis que são regidas por seus governantes. A diferença nos atuais movimentos migratórios se deve a razões forçadas, muitos deixam seu país e quase sempre nunca voltam a ele. Não é um “turismo migratório”, mas uma “exclaustração” de sua própria pátria para entrar em uma nova cultura, economia, realidade política e social.

Um dos fatos que chama a atenção na ação migratória é que antes um membro da família saía para buscar o bem-estar e de onde ele chegava ajudava economicamente os demais membros através de remessas; hoje a família inteira parte, algumas primeiras que estão levando os outros membros; é uma ação comunitária, familiar na maioria dos casos.

Nos anos anteriores houve migração na América Latina devido a ditaduras e processos de violência em alguns países; hoje é mais pela falta de oportunidades para obter o desenvolvimento integral, a pobreza desencadeia a decisão de migrar para outros países que têm duas condições: segurança pessoal e legal, e oportunidades de trabalho, o restante é alcançado por pessoas de diferentes localidades. Outra novidade é que foram aprovadas leis e regulamentos diferentes que no passado não existiam, bem como a criação de inúmeras organizações que cuidam dos migrantes internacionalmente.

A ideia para muitos é fazer uma nova vida adaptando-se a uma nova cultura e novas leis. O pensamento e o desejo não é voltar porque consideram que o país de onde saem não cumpre as condições de viver com dignidade. É muito necessário que os cidadãos cuidem e vigiem uns aos outros, para ajudar em termos de orientação, a ação de cada pessoa é o sentido de responsabilidade, diante do fenômeno da migração.

A Igreja, atenta e solícita aos problemas da humanidade, não se manteve indiferente ao problema da migração. Durante a guerra e depois dela de uma maneira especial, na qual esse fenômeno apareceu da maneira mais dolorosa e desordenada, a transmigração dos fugitivos logo se interessou por todos os tipos de meios à sua disposição, tais como assistência caritativa, intervenções diplomáticas, esclarecimentos doutrinais, para temperar desastres e desordens causados ​​por migração violenta, ou destituídos de direção e ajuda.

Quais os desafios relacionados à questão dos migrantes e refugiados na América Latina?

Dom Azuaje: Sabiamente, o papa Francisco sempre nos lembra que os migrantes não são números: são pessoas, mulheres, homens, crianças, que têm um rosto e que muitas vezes sofrem e são descartados. São rostos humanos, nos quais reconhecemos o rosto de Cristo, a quem queremos servir especialmente naqueles que são menores e necessitados. “Porque tive fome, e não me destes de comer, tive sede, e não me destes de beber, sendo estrangeiro, não me recolhestes…” (Mt 25, 42,43).

Nosso maior desafio é favorecer as famílias migrantes, que muitas vezes migram em busca de segurança e de uma vida digna, especialmente para as crianças. Para isso, é necessário ativar a legislação internacional para a proteção dos migrantes, bem como as diferentes legislações nacionais do país de partida, bem como o país anfitrião. Um fato notório é o que a Igreja Católica alcançou, reunindo todas as instituições que trabalham em prol dos migrantes em uma grande rede: o Clamor Vermelho. A força está na comunhão e o interesse mútuo é favorecer as pessoas mobilizadas, cuidar dos seus direitos, proteger os mais fracos, denunciar a violação dos direitos humanos dos migrantes e trabalhar diretamente com eles.

A América Latina é uma testemunha que muitos chegam aos países de destino depois de terem sofrido violência e abuso durante a viagem, para enfrentar então novas experiências de miséria e dificuldades antes impensáveis. Aqui a Igreja encontra a razão de ser missionária porque pode agir com mais eficácia. Antes de nós, há sempre o chamado de Deus para atender a este fenômeno como um dos mais exigentes “sinais dos tempos” e, do mesmo modo, mais comprometedor. É lamentável que estejamos acostumados a ver aqueles que se mudam ou buscam refúgio como peregrinos sem consolo.

Como fortalecer a cultura do encontro em crescente fato mundial de migrações e refúgios forçados?

Dom Azuaje: O papa Francisco nos deu a chave quando propôs os quatro verbos para o migrante: acolher, proteger, promoer e integrar. Quando esses verbos são acionados dentro de uma determinada localidade, cultura, idiossincrasia, a cultura do encontro é gerada. Eu acho que é necessário projetar uma nova narrativa para ouvir a voz do migrante, não apenas a voz da nação de chegada, mas a voz do migrante, que tem muito a dizer em sua experiência de vida, esta é uma voz autorizada que abre um contexto de reaproximação e responsabilidade.

Na atual campanha da Cáritas Internacional, “Compartilhe a viagem“, é necessário um diálogo sem mediações com os migrantes, para poder ouvir suas histórias, mas também as características de sua cultura, do que deixaram para trás. Desta forma, ele está se aproximando do que considera novidade, uma nova cultura, uma nova maneira de se relacionar com a realidade, novas leis, costumes. Um tempo de aprendizado começa onde a própria cultura mostra suas riquezas, assim como a cultura que se encontra na nova terra. Não deve haver imposições, mas uma descoberta mútua das grandes riquezas humanas e culturais presentes em cada experiência.

Dom Luis Azuaje Ayala no gesto que marca a Campanha Mundial Compartilhe a Viagem: braços abertos para acolher.

Na América Latina há constantes e gravíssimos fluxos de pessoas, sejam elas refugiadas ou migrantes forçadas. Como a Igreja tem acompanhado essa realidade?

Dom Azuaje: Existem dois lugares muito especiais para acompanhamento. A Igreja da partida e a Igreja que recebe. Por exemplo, no meu país, a Venezuela, a prática de acompanhar pessoas que têm um projeto para deixar o país está sendo realizada espiritualmente e humanamente, às vezes até economicamente, elas são ajudadas ou colocadas em contato com grupos ou comunidade que estão no país para onde estão indo. Ela é até mesmo notificada sobre leis internacionais e outros regulamentos. A Igreja que está presente para onde essas pessoas são dirigidas, costuma ter programas para a atenção dos migrantes que chegam, pelo menos nos primeiros dias, enquanto se estabelecem, trabalham e aguardam seus documentos.

Através destas intervenções, o objetivo da Igreja é oferecer aos refugiados, deslocados internos e vítimas do tráfico uma oportunidade de recuperar sua dignidade humana, trabalhando produtivamente e assumindo os direitos e deveres de cada país, e nunca esquecendo de alimentar seus vida espiritual.

A Igreja coloca a pessoa humana no centro das atenções, isto coincide com as convicções e com a preocupação da Igreja Católica sobre a dignidade humana, onde considera a migração como um campo missionário no qual devemos testemunhar a Boa Nova, sem proselitismo de qualquer tipo. A Igreja nos convida a sermos testemunhas e a proclamar nessas circunstâncias o significado do amor de Deus em Jesus Cristo para cada pessoa. É seu dever e responsabilidade comunicar o Evangelho a todos os nossos irmãos em necessidade com grande generosidade e sacrifício pessoal para que as pessoas conheçam o amor de Cristo através das obras sociais para acompanhar o ser humano em sua dor.

Como a Igreja da Venezuela acompanha a realidade a crise política, econômica e humanitária no país?

Dom Azuaje: Nós assumimos a dor de nossos irmãos presentes nas comunidades mais vulneráveis ​​e, acima de tudo, dos pais que foram deixados sozinhos porque seus filhos deixaram o país. Também temos proximidade com muitos que estão no exterior reinventando suas vidas e lutando por um futuro melhor para suas famílias. Nós também experimentamos a dor daqueles parentes que recebem seus entes queridos repatriados por causa de uma doença, acidente ou homicídio.

Nós estamos como no olho de um furacão. A situação política não melhora, neste caso, parece que vai de mal a pior. Recebemos o encorajamento do papa Francisco para acompanhar os dolorosos processos de um país cujo sistema político está quebrando todas as dimensões da pessoa e da sociedade.

É bem sabido que a Igreja sempre acompanhou o povo venezuelano nas várias circunstâncias pelas quais viveu; Mas o que nos acontece é sem precedentes, não entendemos como um sistema de governo está determinado a destruir tudo: sistema político, economia, constituição, relações interpessoais, crenças das pessoas, sua esperança, indústrias estatais, poder de compra dos trabalhadores… Temos hiperinflação, corrupção e especulação. O salário mínimo que só foi aumentado no dia 19 deste mês, não chega a US$ 3. A situação é dramática, e isso nós advertimos, mas nada é feito.

Através de nossas instituições, priorizando as paróquias e a Cáritas, estamos realizando um serviço humanitário com alguns projetos: mesas solidárias, bancos de medicações, o projeto Cáritas Saman para o atendimento de crianças menores de 6 anos devido ao aumento de desnutrição infantil, atendimento ao idoso que sofre com a falta de alimentos e medicamentos, além de proporcionar espaços de capacitação nas áreas de aprendizagem para o trabalho. Apesar do abandono escolar motivado pela falta de comida para as crianças, assim como a escassez de transporte público devido à falta de peças de reposição, borrachas, baterias, para o transporte público, nossas escolas não fecharam, elas permanecem abertas atendendo os alunos que conseguem chegar.

Outra área que servimos é o ministério pastoral da esperança. Dar esperança a um povo aflito, sem esperança, abandonado pelos políticos do governo e da oposição, um povo que se sentiu usado nos protestos, esse povo que servimos como membros dele, porque não somos outra coisa, mas as pessoas peregrinas através do deserto de angústia, desespero, mas com fé em Deus. O fator religioso tem sido fundamental para seguir em frente. Acreditar não é uma opção, mas um compromisso com a vida, que nos faz testemunhar a vida como discípulos daqueles que se entregaram por nós na cruz.

Como Conferência Episcopal, optamos pelo diálogo para favorecer o bem-estar e a dignidade das pessoas. Esta tem sido a nossa principal preocupação. Mas como dialogar com quem só quer ser ouvido e não se comprometer com mudanças relevantes para o bem do país? Por isso, nos pronunciamos em comunicados e discursos como uma denúncia em busca de uma sociedade mais justa e digna. Continuaremos a defender a pessoa e seus direitos, lembrando que o valor da pessoa se baseia na “dignidade humana”, “que está acima de todas as coisas e cujos direitos e deveres são universais e invioláveis” (GS. 26).

Centenas de venezuelanos têm migrado para países vizinhos, principalmente para a Colômbia, mas também chegam ao Brasil. Como o Secretariado Latino-americano e Caribenho da Cáritas (SELACC) tem acompanhado esse drama?

Dom Azuaje: Tem havido muita solidariedade e, eu diria, muita preocupação e a paciência histórica da parte da Igreja receptora, neste caso, a Igreja que peregrina no Brasil. Como venezuelanos, somos gratos pela atenção que deram a milhares de pessoas que foram ao Brasil.

Nos dias 24 e 25 de abril, oito membros da Cáritas, representando a maioria dos países anfitriões se reuniram em Bogotá. A partir desta reunião, vários compromissos surgiram e sensibilizaram outras instituições de nossa Igreja, incluindo Conferências Episcopais inteiras. Naquela reunião, a presença da Cáritas Internacional, do Clamor Vermelho e das Irmãs Scalabrinianas, foi discutidp sobre os problemas que os venezuelanos têm ao chegar aos países e outras propostas de atenção. Naquela reunião, foi feita uma chamada para instâncias diferentes:

  1. Para os governos, vários poderes do Estado, políticos e todos os funcionários públicos para reconhecer todos esses migrantes como sujeitos de direitos, de acordo com mecanismos de proteção internacional.
  2. Aos cidadãos e à sociedade civil para que recebam fraternalmente e não estigmatizem as pessoas que migram, sabendo que não são responsáveis ​​pelas situações que causam esses processos migratórios.
  3. Aos meios de comunicação para que, com o poder, transmitam mensagens amigáveis ​​e acolhedoras que sensibilizem os cidadãos a reconhecer o valor da interculturalidade e da integração.
  4. Aos membros de nossa Igreja para que, a partir de uma conversão permanente e inspirada nos princípios e valores do Magistério do papa Francisco, nos comprometamos na campanha “Compartilhe a viagem”, acolhendo, protegendo, promovendo e integrando os migrantes venezuelanos.

Em quase todos os países de acolhimento, as Cáritas foram ativadas e comunidades religiosas como as irmãs Scalabrinianas estão servindo em diferentes áreas os migrantes venezuelanos, na acolhida, na orientação legal e até mesmo na busca de um emprego decente. Da mesma forma, as dioceses fronteiriças se organizaram para dar atenção àqueles que passam e param por aí. A denúncia também está presente devido aos abusos e riscos de violência que tantas vezes ocorrem naqueles que migram. Mais uma vez devo lembrar que a Cáritas assume os quatro verbos propostos pelo papa Francisco: acolher, proteger, promover e integrar migrantes e refugiados.

Estima-se que quatro milhões de venezuelanos estão em situação de migração e refúgio. O Brasil é um dos países de destino. O que o senhor sugere ao povo brasileiro na dimensão de acolhida?

Dom Azuaje: Em primeiro lugar, aqueles que migram da Venezuela o fazem porque sentem a necessidade de reconstruir suas vidas e ajudar aqueles que permanecem no país. Nós venezuelanos não temos uma vocação para migrar, pelo contrário, sempre nos distinguimos em acolher pessoas de outros países, sempre foi assim. Se você sair do país é porque as condições de segurança econômica, social, pessoal e legal não permitem que você viva. É algo de vida ou morte para milhões de pessoas.

Em segundo lugar, nós venezuelanos somos pessoas pacíficas, muito trabalhadoras, não somos pedintes, se o fazemos é porque estamos no extremo da nossa situação vital; para que eles possam contar com a responsabilidade atual dos venezuelanos em sua maioria. Não gostamos de ganhar pão de graça, mas com trabalho decente.

Em terceiro lugar, aquele que migra é um ser humano carente de segurança, que carrega na bagagem uma grande riqueza cultural, de tradições. Muitos dos migrantes venezuelanos são jovens, a maioria profissionais de todas as áreas que podem fazer um bom trabalho, pelo desenvolvimento local onde estão, para que possam contar com eles. Não digo com isso que é a perfeição, outros tipos de pessoas também migraram; mas a maioria são pessoas preparadas e dispostas a trabalhar e se desenvolver pessoalmente.

Quarto, peço para que aopiem esses migrantes em todas as questões legais e em sua localização territorial, para que possam tornar sua adaptação mais viável e servir na localidade onde for mais viável. Além disso, eles podem expressar livremente sua fé, que é na maior parte católica cristã, alguns com experiência como catequistas ou membros de alguma pastoral.

O que o senhor tem a dizer às pessoas que resistem e temem acolher, proteger, promover e integrar os migrantes e refugiados, ou aos governantes que levantam muros?

Dom Azuaje: Infelizmente, é mais fácil construir paredes do que criar pontes, e isso apesar do fato de que elas estão cientes de que uma ponte é mais necessária do que uma parede. As pontes são realizadas em diálogo aberto e não imposições. Assim, surge a necessidade de diálogo entre pessoas de diferentes culturas dentro de um quadro de pluralismo que vai além da mera tolerância e alcança a simpatia. Uma justaposição simples de grupos de migrantes e nativos tende ao fechamento recíproco de culturas, ou ao estabelecimento entre elas de simples relações de exterioridade ou tolerância. Temos de lembrar que a Encíclica Pacem in Terris, diz que todos têm o direito à vida, à integridade física, aos meios para um padrão de vida decente, principalmente alimentos, vestuário, abrigo, descanso, assistência médica e, finalmente, os serviços sociais indispensáveis.

Devemos lembrar que este mundo é feito para todos, que as fronteiras são linhas imaginárias para ordenar, mas não para o impedimento da realização dos seres humanos. Um migrante é um ser humano que tem dignidade em si mesmo, independentemente de raça, cor, credo ou ideologia. Todos nós possuímos a primeira dignidade que nos aproxima, irmãos, co-participantes de uma história comum no mundo. Um migrante é alguém que tantas vezes interpela o conforto e até a falta de motivação para a novidade, para entrar numa nova dinâmica cultural que se abre ao pluralismo, à tolerância. Do que ele tem medo? Ampliar horizontes é mais recompensador do que fechar-se a viver “mais do mesmo”. É por isso que vemos rostos de felicidade em tantas pessoas que saem para receber pessoas que sofreram a peregrinação de deixar sua história, família e segurança, para introduzir algo novo, para novos desafios. Eles são aprendizado comum.

Eu também acho que você tem de pensar sobre o que é justo ou injusto. Quando um ser humano sofre o que é justo, ele nos diz que devemos tratá-lo de acordo com nossas possibilidades; o injusto seria nos fecharmos para dar essa ajuda, para bloquear a solidariedade. Acredito que um novo mundo é dado quando recebemos o outro com uma atitude própria, de alguém que entra na minha história de vida. Isso não é fácil, mas também não é impossível. Portanto, sejamos solidários e não coloquemos qualquer obstáculo à caridade.

O que o senhor pede à comunidade internacional sobre a situação na Venezuela que está piorando a cada dia?

Dom Azuaje: A comunidade internacional tem desempenhado um papel de liderança no caso do nosso país, acredito que deve continuar insistindo junto ao governo nacional o cumprimento da Constituição Nacional, dos Direitos Humanos e dos direitos do povo venezuelano de viver em paz, para ter uma boa qualidade de vida, liberdade, acesso a alimentos e medicamentos, e que as instituições do Estado operam de forma independente e a serviço do povo e não um regime que monopolizou todos os poderes.

Nosso país foi saqueado nos últimos anos, há muitos que foram enriquecidos barbaramente e manter suas riquezas em diferentes nações, é justo que essas pessoas sejam questionadas e punidas, bem como bloquearam suas enormes fortunas ilegais, que no futuro pode servir para melhorar as condições de vida dos mais pobres, porque tem sido dinheiro do Estado, do povo venezuelano, que deve retornar ao seu fim primário. Infelizmente no nosso país há uma impunidade muito marcada e, portanto, a nível nacional não fará muito mais.

A comunidade internacional deve continuar a apoiar as instituições que estão trabalhando no campo humanitário, servindo os mais pobres, bem como aqueles que promovem uma verdadeira democracia com valores.

Obviamente, cabe aos governos regular os fluxos migratórios, respeitando plenamente a dignidade das pessoas e as necessidades de suas famílias, e levando em conta as demandas das sociedades que acolhem os migrantes. Nesse sentido, já existem acordos internacionais em defesa dos migrantes, bem como daqueles que buscam refúgio em outro país ou asilo político. São acordos que sempre podem ser aperfeiçoados.

Fonte: CNBB

Por Osnilda Lima – Rede de Comunicadores/as da Cáritas Brasileira

MAGRE BRASIL

Faça parte dessa rede

Redes Sociais

Cáritas Notícias

Cadastre-se e receba por e-mail nossos informativos.
Prestação de Contas

Contato

Cáritas Brasileira
SDS - Bloco P - Ed. Venâncio III
Sala 410 - CEP: 70393-900


Brasília/DF
+55 (61) 3521-0350

caritas@caritas.org.br