Diminuir tamanho da fonteAumentar tamanho da fonte

Concretizar sonhos coletivos a partir de feiras livres em 21 municípios do Nordeste brasileiro, uma proposta de Cáritas Brasileira e Fundação Banco do Brasil

21 de novembro de 2018

Agentes Caritas que atuam no projeto Nossa Feria Popular e Solidária – imagens Osnilda Lima/CaritasBr

Fortalecer e potencializar “Oásis” no Nordeste Brasileiro é o objetivo – com a participação ativa da comunidade –, do Projeto Reconstruindo os Espaços Populares de Socialização nos Municípios, a partir da Implantação de Tecnologias Sociais. A proposta é uma iniciativa da Cáritas Brasileira em convênio com a Fundação Banco do Brasil (FBB). Oásis que da língua copta, do egípcio popular, significa a “morada”, é o que pretende o projeto – que ganhou o nome de Nossa Feria: Popular e Solidária – fomentar e incrementar “a morada” dos feirantes a da população que usufrui das 21 feiras populares dos quatro estados do Nordeste Brasileiro onde o projeto está sendo iniciado. Os estados são: Bahia: nas cidades de Antas, Canudos, Nordestina, Crisópolis, Cachoeira, São Felix, Pau Brasil, Ibirataia e Abaíra; no Maranhão: Pedreiras, Presidente Dutra, São Domingos, Viana, Lago da Pedra, Pindaré Mirim; na Paraíba: Areia, Boqueirão, Conceição, São João do Rio do Peixe e no Piauí: Demerval Lobão e Castelo do Piauí.

Para prosseguir na implementação do projeto, que teve início com a assinatura do convênio entre Cáritas e FBB em maio deste ano, os agentes Cáritas participaram de 15 a 19 de outubro de 2018, em Brasília (DF), de um encontro em que teve rodas de conversas com a diretoria da FBB, diretoria de governo do Banco do Brasil (BB) e com a colegiada da Cáritas Brasileira. Na ocasião, foram realizadas oficinas voltadas à educação financeira e a oficina sobre a Metodologia Oasis – uma tecnologia social de mobilização cidadã. Essa é a proposta fundante para a efetivação do projeto nas feiras populares.

Oasis é uma tecnologia de mobilização comunitária criada pelo Instituto Elos que movimenta talentos comunitários para transformar pessoas e ambientes por meio da materialização de sonhos coletivos. A proposta de trabalhar com a Oasis no Projeto Nossa Feira é, a partir da ação cooperativa, envolver os diversos atores, como: moradores, colaboradores, gestores, jovens, crianças, educadores, lideranças comunitárias e feirantes para a transformação da feira popular.

A metodologia Oasis convida as pessoas a viver uma experiência em comunidade; a praticar uma visão apreciativa e de abundância sobre o mundo; a identificar belezas, recursos, histórias e talentos; a sonhar juntos os espaços de convivência; a projetar e empreender soluções criativas para um sonho comum; a transformar e encher de vida pessoas, lugares, relações e ambientes. Neste sentido, os agentes Cáritas que estão à frente do Projeto como articuladores locais, são parte importantes no processo de construção coletiva de partilha e vivências, motivando os feirantes e demais atores entre eles o poder público a participarem e apoiarem a realização das oficinas locais que ocorrerão a partir de dezembro deste ano.

A mobilização deverá promover a integração dos mais diferentes segmentos na vida social e política dos territórios por meio, também, da realização de intercâmbios regionais e municipais que serão espaços de troca de saberes nas feiras livres. Gilmar dos Santos, agente Cáritas, articulador do Nossa Feira nas cidades Baianas de Cachoeira, São Felix e Crisópolis, “as feiras livres são muito mais do que espaços de comercialização de produtos, são lugares onde ocorrem os entrelaçamentos dos saberes e sabores. São lugares de encontros e intercâmbio cultural. Muitas pessoas frequentam as feiras para simplesmente rever amigos e compartilhar suas histórias de vida, se constituindo assim como uma espécie de “espaço terapêutico comunitário”. Outro elemento importante a se observar, especialmente no município de Cachoeira, é a peculiar manifestação do sagrado através das múltiplas expressões simbólicas do catolicismo popular e das expressões religiosas de matrizes afro-brasileiras”.

Maria Clarice dos Santos Silva, agente Cáritas do Nossa Feira nas cidade de Boqueirão e Areia, na Paraíba conta que em um primeiro momento os feirantes receberam o Projeto com certa desconfiança, “eles me perguntavam: ‘você é de qual partido político que vem trazer essas promessas e depois não cumpre?’. Mas aos poucos fomos mostrando o potencial do projeto, hoje há bem mais abertura e interesse. Até aqueles que não quiseram se cadastrar num primeiro momento hoje nos procuram”, conta a agente.

Participantes das Oficinas Oasis e Educação Financeira, em Brasília (DF)

A parceria na com a FBB para a efetivação do projeto busca, também, fortalecer a economia local; a garantir a manutenção de recursos no município; a ampliar o uso de meios de pagamentos débito, crédito e canais digitais e com isso a possibilidade de reduzir papel moeda circulante e a redução de risco de sinistro e a incentivar a tecnologias digitais por meio de aplicativos.

 

Cáritas Brasileira em Fundação Banco do Brasil em encontro para a Oficina Oásis e Educação Financeira, projeto Nossa Feira Popular e Solidária

Por Osnilda Lima – Caritas Brasileira Secretariado Nacional

MAGRE BRASIL

Faça parte dessa rede

Redes Sociais

Cáritas Notícias

Cadastre-se e receba por e-mail nossos informativos.
Prestação de Contas

Contato

Cáritas Brasileira
SDS - Bloco P - Ed. Venâncio III
Sala 410 - CEP: 70393-900


Brasília/DF
+55 (61) 3521-0350

caritas@caritas.org.br