Diminuir tamanho da fonteAumentar tamanho da fonte

Comida jogada no lixo em Manaus daria para alimentar 100 mil pessoas

24 de janeiro de 2014

Diariamente, 95,4 toneladas de alimentos vão para o lixo em Manaus, capital de um Estado onde 648,6 mil pessoas estão inclusas na faixa de extrema pobreza.

A Secretaria Municipal de Limpeza (Semulsp) informou que recolhe diariamente 95,4 toneladas de alimentos nas lixeiras, em 39 feiras e mercados. Por mês, os alimentos desperdiçados somam 2.862,9 toneladas. Em janeiro do ano passado, a média mensal era 270 toneladas.

A reportagem é publicada por D24AM, 23-01-2014.

O resultado do desperdício, também, pesa no bolso do consumidor. Quanto mais frutas, legumes, verduras e peixe no lixo, mais caro estes alimentos chegarão à mesa.

A Feira da Panair, no Educandos, zona sul, é a campeã em despejo de comida no lixo: 9,7 toneladas por dia. Jaraquis, pacus, sardinhas, curimatãs e até tambaqui chegam a transbordar nas lixeiras ao fim do dia. O feirante Adeilson Monteiro de Paula explicou que a quantidade descartada varia conforme a oferta e período do ano. “Peixe só vende bem mesmo de manhã cedo. O produto que ainda está na banca depois das 10h30 ou 11h tem grande chance de encalhar”, explicou.

Diariamente, 1,5 tonelada de tomate, cebola, pimentão e abacaxi, entre outras frutas e legumes, acaba na lixeira da Feira do Coroado, zona leste. Dona de uma banca há cinco anos, a feirante Nazaré dos Santos Reis divide a responsabilidade pelo desperdício com os consumidores. Ela afirma que muitos clientes deixam de comprar um tomate, por exemplo, por estar amassado. “Não temos tempo de distribuir comida. Aqui, eu deixo o que pode ser reaproveitado num galão separado, para quem quiser vir pegar”.

Apesar da média de comida despejada no lixo somente nas feiras e mercados da cidade, 95,4 toneladas por dia, a dimensão do desperdício em Manaus é ainda maior. A Semulsp informou que não tem como quantificar a comida descartada pelos restaurantes, porque não há lixeiras exclusivas só para alimentos e, alguns estabelecimentos fazem seu próprio descarte, conforme a Lei Complementar Nº 001, de 20 de Janeiro de 2010.

Além disso, em torno de 30% da produção agrícola do Estado se perde antes de chegar às prateleiras de venda, segundo a Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror).

Em paralelo às 2.862,9 toneladas mensais de comida jogada na capital, no Amazonas o universo dos miseráveis corresponde a 18,6% do total dos 3,48 milhões de habitantes do Estado, segundo o último levantamento do Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mesa Brasil quer diminuir o desperdício

O Programa Mesa Brasil está buscando parceiras para diminuir o desperdício de comida em Manaus. O coordenador do projeto, Ellinaldo Barbosa, avalia que grande parte dos alimentos despejados nas lixeiras das feiras e mercados poderia ser reaproveitado no prato.

Para Ellinaldo, o maior entrave para a coleta destes produtos nas feiras é o armazenamento inadequado. “Existe um ponto delicado entre a fruta ou verdura que não está própria para a comercialização, mas ainda tem um bom valor nutricional, e aquela que já está estragada. Não se pode depositar tudo junto”, disse.

Em 2013, o Mesa Brasil recolheu 2.100 toneladas de alimentos em Manaus, junto aos agricultores, restaurantes, supermercados e padarias. Barbosa afirmou que o projeto alimentou 80 mil pessoas no ano passado, e complementou 7 milhões de refeições. “Iniciamos uma conversa com a Secretaria Municipal de Limpeza (Semulsp) para fomentar uma parceria com atuação direta nas feiras e mercados”.

Barbosa explicou que os alimentos recolhidos incrementam os pratos de quem tem pouca variedade em casa, aumentando o valor nutricional da refeição. “Em alguns casos, a pessoa tem somente farinha e ovos em casa, e ganha em saúde ao receber também abóbora ou couve, por exemplo”, disse.

O Mesa Brasil, desenvolvido pelo Serviço Social do Comércio (Sesc), é um Programa de Segurança Alimentar e Nutricional, baseado em ações educativas e distribuição de alimentos excedentes ou fora dos padrões de comercialização, mas que ainda podem ser consumidos. A rede atua nacionalmente como um banco de alimentos para a promoção da cidadania e segurança alimentar.

Em atividade, no Amazonas há 10 anos, o Mesa Brasil distribui alimentos para 200 instituições sociais, como Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Casa Vhida, Grupo de Apoio à Criança com Câncer do Amazonas (GAAC-AM), Abrigo Moacir Alves e Lar Batista Janel Doylle. O programa atua em Manaus, Iranduba, Manacapuru e Rio Preto da Eva.

Para ser doador, voluntário ou assistido do programa, o interessado deve entrar em contato pelos telefones 3234-1598 ou 3234-1795. Também é possível se inscrever diretamente no Sesc, na Rua Coronel Salgado, 512, Aparecida, de segunda à sexta-feira, de 8h30 às 17h30.

Desperdício Universal

A campanha ‘Pensar. Comer. Conservar – Diga Não ao Desperdício’, lançada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), alerta sobre as toneladas de comida que vão para o lixo diariamente.

Segundo dados do programa, atualmente pelo menos um terço de todos os alimentos produzidos no mundo se perde entre as fazendas e a mesa de refeição. O estudo identificou que as pragas, instalações inadequadas de armazenamento e escoação ineficiente são as principais causas do estrago de comida no mundo.

Fonte: IHU

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


MAGRE BRASIL

Faça parte dessa rede

Redes Sociais

Cáritas Notícias

Cadastre-se e receba por e-mail nossos informativos.
Prestação de Contas

Contato

Cáritas Brasileira
SDS - Bloco P - Ed. Venâncio III
Sala 410 - CEP: 70393-900


Brasília/DF
+55 (61) 3521-0350

caritas@caritas.org.br