English
Diminuir tamanho da fonteAumentar tamanho da fonte

Cáritas Brasileira se solidariza com vítimas do furacão no Haiti

11 de outubro de 2016
30231433285_c9f2b0833b_o

A confederação Cáritas segue atuando no Haiti em auxílio às vítimas do furacão Matthew, que causou mortes e destruição no país no último dia 4 de outubro. Estima-se que cerca de um milhão de pessoas tenham sido afetadas pelas tempestades e que mil delas tenham morrido – a Defesa Civil confirma 372 mortes até o momento. Este foi o pior desastre enfrentado pelo país desde o terremoto de janeiro de 2010, quando mais de 300 mil haitianos e haitianas morreram. Ainda hoje há dezenas de milhares de pessoas vivendo em barracas devido às consequências do terremoto, o que agrava ainda mais a situação do país com a passagem do furacão Matthew.

A Caritas Internationalis lançou um Apelo Internacional em auxílio às comunidades afetadas, destinando 250 mil euros para o atendimento às vítimas com alimentos, água potável, produtos para purificar a água disponível nas localidades, cobertores e kits de higiene. Nesta fase de atendimento emergencial às vítimas, a Cáritas Haiti está atuando junto às comunidades atingidas nas cidades de Jérémie e Les Cayes, no sudoeste do país, e em Jacmel e Nippes, a oeste e noroeste. A prioridade de atendimento nos abrigos improvisados é dada às mulheres grávidas, às crianças e aos adultos com deficiências físicas. Já a Catholic Relief Services (CRS), que possui sede nos Estados Unidos e também integra a confederação Cáritas, está atuando em Les Cayes e em outros países do Caribe também afetados pelo furacão.

A população do Haiti precisa com urgência de alimentos e água. Materiais para reparação de casas, como madeira, pregos e chapas onduladas, também são importantes, assim como lonas e barracas para a instalação de abrigos. Muitas regiões foram inundadas pelas fortes tempestades causadas pelo furacão e seguem isoladas. A já deficiente infraestrutura do país foi seriamente danificada. Os danos às residências, prédios públicos e redes de transportes, de energia e comunicações também foram sentidos em Cuba e na República Dominicana. “O efeito do furacão no sul do Haiti é catastrófico. Houve mortes por afogamento e edifícios desmoronados. Algumas comunidades estão debaixo d’água. As pessoas perderam tudo”, desabafou o padre Jean-Hervé François, diretor da Caritas Haiti, após tomar conhecimento da destruição imposta ao país.

29541340134_69d39753fe_o

A dor causada pelo furacão Matthew só agrava as consequências do terremoto de 12 de janeiro de 2010, o maior da história do Haiti. Mais de 1 milhão de pessoas perderam suas casas naquela tragédia, que destruiu cidades e famílias. A desolação se transformou na dor de pessoas do mundo inteiro, que se solidarizaram com as vítimas e passaram a ajudar na reconstrução da nação caribenha. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Cáritas Brasileira se somaram aos esforços de ajuda humanitária e lançaram uma campanha de solidariedade chamada SOS Haiti.

Construção de casas e escolas

A campanha SOS Haiti arrecadou mais de R$ 8 milhões. Uma parte deste valor (R$ 3,2 milhões) foi repassado à Caritas Internationalis, que coordenou as ações de socorro imediato às vítimas, com o fornecimento de água, alimentos, barracas e tendas de alojamento, kits de higiene pessoal, medicamentos, obras emergenciais em escolas e a aquisição de material escolar. A outra parte dos recursos arrecadados foram empregados em um plano de reconstrução pós-terremoto, com investimentos nas áreas de saúde, educação, alimentação, habitação, economia solidária e fortalecimento da capacidade institucional da Cáritas Haiti, que celebrou um acordo de cooperação com a Cáritas Brasileira para a implementação das ações. Com os valores arrecadados, foram construídas 60 casas e cinco escolas.

“A questão mais grave no Haiti é justamente a falta de estrutura. O mesmo furacão [Matthew], com a mesma intensidade, passou também por Cuba. Lá, causou destruição da infraestrutura e de moradias. Mas, felizmente, não causou perdas de vidas humanas. No Haiti, o furacão causou destruição e muitas mortes. Em parte, isso é consequência da geografia do país, que favorece inundações e deslizamentos de terras. Em outra parte, é consequência da falta de estrutura, inclusive nas residências. Mesmo com as ações realizadas pós-terremoto, ainda há muita fragilidade. Uma parte significativa da população permanece vivendo em barracos”, avalia o diretor-executivo nacional da Cáritas Brasileira, Luiz Cláudio Mandela. ”O país precisa muito da solidariedade mundial. Novos furacões irão acontecer, isso faz parte do clima daquela região. Precisamos ajudar o Haiti a estar preparado para novos desastres”, complementa ele.

Epidemia de cólera

A grave crise humanitária que se intensificou no Haiti após o terremoto de 2010 motivou uma grande onda de migração de sua população para outros países das Américas, entre os quais, o Brasil. Por outro lado, a Cáritas Haiti alerta para o aumento do risco de uma epidemia de cólera, devido às fortes chuvas e à falta de acesso à água potável. O que agravaria ainda mais a crise humanitária pela qual passa a nação caribenha. Desde 2010, o Haiti reportou quase 800 mil casos de cólera, dos quais 9,3 mil resultaram em mortes – conforme dados da Organização Pan-Americana da Saúde. No auge da epidemia, em 2011, o número de casos da doença alcançou uma média de 6,7 mil a cada semana.

30116472222_c274348fed_o

Em solidariedade aos irmãos e irmãs do Haiti, a Cáritas Brasileira informa que as contas do SOS Haiti permanecem ativas. Deste modo, as pessoas interessadas em ajudar as vítimas do furacão podem realizar depósitos de qualquer valor nas contas bancárias administradas pela Cáritas Brasileira (CNPJ 33.654.419/0001-16) em nome das vítimas dos desastres no Haiti:

BANCO DO BRASIL
Agência: 3475-4
Conta Corrente: 23.969-0

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Agência: 1041
Operação: 003
Conta corrente: 1132-1

A Cáritas Brasileira convida todos e todas a lançarem seus pensamentos e orações para o povo do Haiti, especialmente às comunidades afetadas por esta nova tragédia.

Por Luciano Gallas / Assessoria Nacional de Comunicação da Cáritas Brasileira
Foto: Caritas Internationalis

Leia mais:

Confederação Cáritas lança Apelo Internacional para o Haiti

“Efeito do furacão no Haiti é catastrófico”, diz padre Hervé

Furacão deixa rastro de destruição também em Cuba

Terremoto no Haiti: das ações emergenciais à reconstrução

30033545272_3fb9329ced_o

SOS HAITI FURACÃO

Redes Sociais

Cáritas Notícias

Cadastre-se e receba por e-mail nossos informativos.

Contato

Cáritas Brasileira
SDS - Bloco P - Ed. Venâncio III
Sala 410 - CEP: 70393-900


Brasília/DF
+55 (61) 3521-0350

caritas@caritas.org.br