English
Diminuir tamanho da fonteAumentar tamanho da fonte

Agricultura Familiar garante alimentação saudável e movimenta a economia solidária

28 de julho de 2017
agricultura familiar 2

Plantar, colher e saborear produtos da horta sem qualquer uso de veneno. Essa é a regra seguida pelos agricultores do Calhau (MG), Galvani Alves Drumond e Deivisson Aparecido Gonçalves Simões. Eles sabem dos impactos causados pelo uso de agrotóxicos na alimentação e por isso trabalham de forma sustentável em sintonia com o meio ambiente. Moradores da comunidade de Calhau, em Conceição do Mato Dentro, as famílias dos agricultores garantem por meio da horticultura, a qualidade dos alimentos vendidos e que chegam às casas dos consumidores.

”Isso é qualidade de vida”, garante Galvani. O agricultor Galvani explica que a horticultura agroecológica tem como proposta utilizar substâncias naturais para melhoria da qualidade do solo e, assim, produzir um sistema em que as plantas fiquem mais saudáveis e consigam resistir ao ataque de insetos indesejados.

Um exemplo simples desse método é quando se planta a cebolinha juntamente com o tomate. “Assim a gente consegue eliminar as pragas. É muito simples”, conta. Em seu quintal produtivo, Galvani e a sua esposa, Júlia Pereira dos Santos, plantam, colhem e vendem pimenta, quiabo, mandioca, maracujá, beterraba, cenoura, dentre outros alimentos. “A proposta de se fazer o modelo de horticultura na comunidade se deve ao potencial de terra, hídrico e de pessoas que há neste lugar”, qualifica Deivisson sobre a terra que escolheu para viver com a esposa Adriana Ronalda e o casal de filhos. Ele, que trabalhava na cidade grande, buscou conhecimentos para trabalhar na roça e, assim, junto com a mulher que morava no meio rural, garantem o sustento da família. “Hoje temos uma qualidade de vida muito maior. Tenho muita fé com esse projeto de horticultura”, conta Deivisson.

 Adriana Ronalda, Deivisson Gonçalves, Galvani Drumond e Júlia Pereira trabalham em prol de uma alimentação mais saudável e melhor qualidade de vida

Adriana Ronalda, Deivisson Gonçalves, Galvani Drumond e Júlia Pereira trabalham em prol de uma alimentação mais saudável 

Economia Solidária no campo

O projeto de horticultura é uma proposta das famílias agricultoras da comunidade e a Cáritas abraçou o projeto que foi contemplado por meio do financiamento do Programa de Apoio a Projetos da Região Central (Proap Central). Esse programa foi instituído pela Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais (Cimos) e pela Promotoria de Justiça de Conceição do Mato Dentro. Com os recursos, as famílias receberam um motocultivador com implementos, sementes, material para estufa e assistência técnica. Questionado se acreditava que o projeto daria certo, Galvani foi taxativo: “Se eu não acredito não faço. Tudo em minha vida eu só entro por acreditar que vai dar certo”, pontua.

O valor do financiamento será devolvido de forma solidária com a criação de um Fundo Rotativo Comunitário a partir da devolução de, no mínimo, 20% do valor bruto obtido com a comercialização dos produtos. Uma das propostas é que esse Financiamento será devolvido de forma solidária projeto seja abraçado por mais famílias e, assim, possa garantir a qualidade de vida, de segurança alimentar nutricional e da geração de renda para mais pessoas. As famílias contempladas acreditam nesses pilares e querem que outros agricultores possam conhecer esse sistema.

 Agrofloresta familiar

 A criação de animais é a base da experiência  da família de José Benício, mais conhecido como Cabeludo e Maria Francinete, que residem na Comunidade Trincheiras, em Patos(PB). Junto com os dois filhos, Ygor e Yuri, eles fazem parte do grupo de agricultures acompanhados pela Ação Social Diocesana de Patos, a partir do Programa de Promoção e Ação Comunitária (PROPAC).

Depois de trabalhar como empregado em grandes propriedades, Cabeludo, incentivado pela esposa, decidiu investir na agricultura familiar, que até então, não acreditava ser viável. Hoje a base produtiva da família é a criação de gado, galinhas e ovelhas, além do cultivo de frutas, em sua agrofloresta, onde é possível comercializar polpas, garantindo assim a segurança alimentar, gerando renda na comercialização que acontece toda quinta-feira, na feira da agricultura familiar em Patos.

 A criação de animais é a base da experiência  da família de José Benício

A criação de animais e a agrofloresta marcam a experiência da família de José Benício

 

Na agrofloresta familiar são cultivados árvores nativas como; favela, jurema e caibeira, além de árvores futiferas e plantas forrageiras. Todas as plantas são irrigadas com a água do rio Espinharas que corre pela comunidade. A partir de intercambios promovidos pela Ação Social Diocesana de Patos, Cabeludo, aprendeu técnicas de manejo do solo como a silagem, que melhoram seu potencial produtivo. A família Benício também foi contemplada com um Biodigestor, através do PROPAC.

Com informações de Franciele Oliveira, Cáritas Minas Gerais, Wagner Ferreira Cesário, Cáritas Regional NE 2 e Paloma Pires, Ação Social Diocesana de Patos.

SOS HAITI FURACÃO

Redes Sociais

Cáritas Notícias

Cadastre-se e receba por e-mail nossos informativos.

Contato

Cáritas Brasileira
SDS - Bloco P - Ed. Venâncio III
Sala 410 - CEP: 70393-900


Brasília/DF
+55 (61) 3521-0350

caritas@caritas.org.br